Capacitação fala da importância da inclusão nos projetos esportivos

Trinta e oito professores dos projetos gratuitos implementados pela Secretaria de Esporte e Lazer – Maricá + Esporte e Esporte Presente – participaram de uma capacitação nesta segunda-feira (04/02) com o professor de Educação Física, Bruno Reglo, referência no trabalho de pessoas com deficiência na Vila Olímpica no Rio de Janeiro. O encontro foi realizado num auditório em Ponta Grossa.

O treinamento abordou o que é atividade física adaptada, o que é deficiência e seus diferentes tipos e como melhor atender os alunos de forma a buscar sua total inclusão. Para o especialista, o fundamental é tratar o aluno de forma igual. “Não podemos tratar como doença, como pessoas diferentes. O objetivo é atender da melhor forma possível com carinho e respeito, buscando oferecer atividades para todos com equiparação de oportunidades e respeito às diferenças”, destacou Bruno.

Para a coordenadora técnica do Maricá+Esporte, Patrícia Lopes, o encontro é uma excelente oportunidade de orientar os professores envolvidos nos projetos. “A inclusão já faz parte de nossa realidade, mas, é crucial aprimorar o conhecimento para podermos atender a esses alunos com excelência”, frisou. “É muito proveitoso participarmos de encontros que expandam nossos olhares em como lidarmos com a diferença. A inclusão tem que ser feita de forma supervisionada e com olhar mais atento e carinhoso”, ressaltou o professor de Educação Física Gustavo Lanari.

Para o secretário da pasta, Filipe Bittencourt, manter os professores e instrutores capacitados garante segurança para que todo investimento no esporte seja aproveitado com excelência. “Maior legado que deixaremos é saber que não somente projetos foram criados, mas que capacitamos profissionais para atender da melhor maneira os moradores de nossa cidade”, afirmou.

Também participante do curso, a professora de ginástica rítmica que atua nos núcleos do Bananal e do Complexo Esportivo Leonel de Moura Brizola, no Flamengo, Melissa Macedo, de 27 anos, considera fundamental a troca de experiências profissionais. “Já trabalhei com alunos com síndrome de Down e com transtorno de déficit de atenção e eles eram bem participativos e incluídos nas atividades. O que importa é potencializar o que o aluno tem de melhor e valorizar cada conquista, que é muito gratificante para nós, enquanto professores, mas principalmente, para a saúde e o desenvolvimento deles”, concluiu.

Fotos: Marcos Fabrício

Maricá Já Play. A sua informação em apenas um click

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s