Banhistas desrespeitam bloqueio e são retirados das praias de Maricá

Eles alegam desconhecer o retorno da Fase Laranja que suspende flexibilização 

Cerca de 60 pessoas foram advertidas verbalmente na Praia da Barra de Maricá nesta sexta-feira (12) por furar a determinação da Justiça. Elas foram obrigadas a deixar o local pela Guarda Municipal da Barra de Maricá porque a flexibilização foi revogada no dia anterior, feriado de Corpus Christi. A Fase Laranja se iniciou no dia 11 e vai até 14 de junho.

Os banhistas alegaram que não sabiam sobre este estágio laranja e por isso retornaram às praias. A maioria ainda acreditava que a flexibilização estava em vigor.

“Não sabia que tinha voltado para a bandeira laranja, achei que pudéssemos voltar a frequentar as praias, mas tomamos todas as precauções”, explicou um dos banhistas, Vagner Cardoso, 62.

As denúncias chegaram através do Disque Aglomeração (96809-1516) na subsecretaria de Ordem Pública, como relatou o tenente-coronal Rhonaltt Bueno. Ele explicou que o departamento não atua diretamente nestes locais, mas averiguam as denúncias e acionam a Defesa Civil.

“Não atuamos especificamente nas praias, mas tivemos alguns chamados para a Ponta Negra  e Barra de Maricá pela manhã. Ocasião em que atuamos em conjunto com a defesa Civil”, informou o subsecretário.

A Fase Laranja prevê o funcionamento normal apenas para os serviços essenciais como supermercados, farmácias e hospitais. Os demais setores devem continuar fechados para impedir a aglomeração de pessoas. Estabelecimentos como bares, restaurantes, padarias e lojas de materiais de construção podem funcionar apenas com o esquema de entrega e retirada.

A flexibilização permitia que as pessoas frequentassem o calçadão das praias, shoppings e centros comerciais (entre 12h e 20h), bares e restaurantes com 50% da capacidade e cultos religiosos. Ela foi decretada por Wilson Witzel, governador do Rio de Janeiro, no dia 5 de junho, mas foi revogada no começo do feriadão pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). A multa é de R$ 50 mil para os estabelecimentos que descumprirem o decreto.

Até o momento foram confirmados 718 casos de pessoas contaminadas com o Covid-19, 40 óbitos e 590 curados na cidade. Segundo o último boletim divulgado nessa sexta-feira pela a Prefeitura de Maricá, 1.610 casos em que havia suspeita de contaminação foram descartados.

Fonte: Plantão em Foco, Lei Seca Maricá e Uol.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s